Tem horas que a vida pede calma e surge aquele momento propício em que costumamos fazer um balanço real de como está sendo nosso ano, de como estamos conduzimos nossas vidas nas últimas semanas, meses e anos. Contabilizamos quantos sonhos deixamos passar e quantos, de fato, foram possíveis realizar. Dentro de cada um de nós há muitos sonhos esperando uma oportunidade de se manifestar e se eles pudessem falar, diriam: “eu quero completar aquela prova de 5km.” “Eu quero escrever meu primeiro livro.” “Eu quero parar de ter medo de dirigir.” “Eu quero me reconciliar com o espelho.” “Eu quero sair desse emprego que suga minhas energias.” “Eu quero ter mais qualidade de vida.” Estes são pequenos exemplos do que repercute dentro de nós e a única forma destes sonhos serem libertos de seus cárceres privados é escutando sua voz. Afinal, a sua liberdade começa quando a sua descrença termina

A sua liberdade começa quando a sua descrença terminaNão há nada que realmente te impeça de tentar algo novo. Os obstáculos para a sua liberdade quem coloca é você. Há uma frase sábia que diz: “A miséria, antes de ser concreta, nasceu no imaginário. Da mesma forma a abundância. Ambas dão o mesmo trabalho. A escolha está em nossa mente.” (Ana Lícia) A escolha está em nossa mente. E isso é tudo o que há. O mundo lá fora abriga infinitas portas de entrada, você só precisa ir em direção a elas. Tal como você cria pensamentos desencorajadores, que te desmotivam, fazendo com que desista dos seus sonhos, há em você a mesma capacidade para reformular esses pensamentos, criando uma esfera mais positiva em que prevaleçam sentimentos de coragem, que trazem motivação para o seu dia –a – dia, que te permitem estar mais aberto para as oferendas que a vida traz.

Daí você me pergunta: “Tá. E se tudo der errado? E se meus planos não derem certo na primeira tentativa?”

Eu vou lhe responder: A primeira tentativa você fez ao abrir a primeira porta. Olhe quantas outras estão disponíveis ao seu redor! E se essa tentativa falhou, o que de pior pode te acontecer? Provavelmente voltar para onde estava e começar tudo de novo. Não parece tão ruim assim, não é?

Quando o medo domina as áreas do nosso pensamento ele encurta nossa criatividade, tira nossa ousadia e rouba a nossa paz. O medo não deve andar atrás de você, de forma que não possa vê-lo, nem deve andar na sua frente, a ponto de tirar-lhe a visão do que há no horizonte. Seu lugar é ao seu lado, como um acompanhante, e pode ter certeza, ele irá te acompanhar em todas as suas viagens, tudo o que você precisa dizer a ele é: apesar de você, eu ajo. Apesar de você, eu me movimento. Apesar de você, eu dou importância ao que me faz feliz. 

Psicóloga Clínica, eterna aprendiz e colaboradora do Zona De Desconforto. Acredita que uma vida bem vivida está mais de acordo com aquilo que se é do que com aquilo que se tem. Não dispensa um abraço apertado e um cafuné demorado. Sabe que viver é tarefa pra quem está disposto.
Gostou? Compartilhe!Share on Facebook74Tweet about this on TwitterGoogle+0