Todos nós enfrentamos obstáculos ao perseguirmos nossas metas, sejam elas profissionais ou pessoais. Achamos que estamos no caminho certo, mas algumas vezes percebemos que fizemos um planejamento errado. Somos dispostos e trabalhadores, mas nossa estrutura mental falha quando mais precisamos dela. Ou quando estamos a ponto de progredir, ficamos sem tempo ou dinheiro o suficiente para investir e manter seu sonho. É hora de pensar em 10 perguntas a se fazer antes de desistir do seu sonho.

Por mais obstinados que possamos ser, todos temos um ponto de ruptura – aquele momento em que as potenciais recompensas já não justificam os esforços. Geralmente, ele é a curva que separa seu melhor sonho da sua melhor realidade. Antes de você jogar a toalha, pergunte a si mesmo as seguintes questões:

10 perguntas a se fazer antes de desistir do seu sonho1. Pra começar, por que você quis perseguir este sonho – e alguma coisa mudou?

Você teve alguma razão para se comprometer com esse plano. Talvez você tenha visu-alizado um futuro livre financeiramente uma vez que você começasse esse novo negócio, ou você percebeu que viveria mais e melhor se perdesse 18 quilos.

É provável que você ainda queira essas coisas tanto quanto você queria antes; mas você parou de acreditar que é possível realizá-las porque suas tentativas ainda não produziram resultados. Agora você tem que se perguntar: se você se sacrificar, vai valer a pena no final?

2. Você tem se sobrecarregado de informação?

Com tanta informação na ponta dos nossos dedos vinda da velha amiga internet, é fácil soterrar a si mesmo com mais conhecimento do que o necessário para pôr em prática. Você lê e-books e blogs, participa de webnários, cursos e até sessões de coaching, e se junta a fóruns de discussão para conversar sobre como realizar tais coisas.

Como resultado, das duas uma: ou você gastará mais tempo pensando e planejando do que agindo, ou você direcionará mínimas energias para múltiplas metas, ao invés de se com-prometer com apenas um e sólido objetivo. Ao invés de enfiar goela abaixo todas as informa-ções, por que não restringi-las um pouco e começar de novo de um ponto mais claro?

3. Você estabeleceu uma meta esperta? Toda meta ES.P.E.R.TA. é:

a) Específica: você sabe exatamente o que vai acontecer quando você alcançá-la;
b) Planejada: estabeleça um cronograma das atividades necessárias à realização da sua meta;
c) Executável: você tem a atitude e a aptidão necessárias para executá-la;
d) Realista: é possível de pôr em prática, e você está disposto e apto a fazer o que for necessário;
e) Tangível: é clara o bastante para ser percebida ao longo do seu processo de reali-zação.

Se você não estabeleceu uma meta ES.P.E.R.TA., você talvez tenha conduzido a si mesmo ao fracasso. Como é que você vai realizar algo se você não sabe exatamente o que você quer, ou sequer constatou se podia realizá-lo? Você está realmente disposto a desistir, se você sequer proporcionou a si mesmo as oportunidades para ser bem sucedido?

4. O que de pior pode acontecer se você não alcançar sua meta?

Quando eu penso em desistir, geralmente é porque tenho medo de fracassar – medo de desapontar as pessoas ou de ser julgado por elas, ou medo de ter desperdiçado meu tempo. Na verdade, ninguém nos julga como nós julgamos a nós mesmos, e nós sempre aprendemos e crescemos durante todo esse processo de dedicação, independentemente do que consigamos.

Se você não persistir, então nunca saberá quão longe teria ido, e ainda perderá a chance de se tornar a pessoa diferente que seria apenas pela experiência de tentar. Se você persistir, bem, é tipo esta citação: “Mire a lua, pois, mesmo se errar, acertará uma estrela”.

5. Você tem medo de ser bem-sucedido?

Um dos meus maiores problemas é que eu tenho medo de responsabilidade. Há um monte de coisas que eu gostaria de fazer, mas eu resisto porque eu não quero o poder de im-pactar, magoar ou desapontar outras pessoas. O que não significa que eu não tenha sonhos. É que eu tenho medo do que eles podem me trazer caso sejam realizados.

Se você se identificou com esse sentimento, então talvez você reaja bem ao mantra que eu venho repetindo: “Com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades – e também grandes recompensas.” Se você optar pela segurança, você não machucará nem desapontará ninguém, mas também não vai ajudar ou inspirar ninguém. E igualmente importante, você não vai ajudar ou inspirar a si mesmo.

10 perguntas a se fazer antes de desistir do seu sonho6. Você está agindo por impulso ou emoção ao invés de pensar lucidamente no assunto?

Às vezes nossas emoções nos dão dicas sobre o que queremos e o que devemos fazer. Mas outras vezes elas são apenas resposta ao estresse, e talvez até mesmo sejam sinal de que estamos no caminho certo. Se você agir nesse momento de intensa emoção – seja ela raiva, medo ou frustração – é bem capaz que você desista quando a onda tiver cessado.

Então sente um pouco. Escreva o que você está sentindo. Sinta profundamente, sem julgar a si mesmo. Então só aja quando estiver de cabeça fria. Pelo menos você saberá que fez essa decisão num momento de paz e clareza das ideias.

7. Você gostaria de expor francamente a uma pessoa amada os motivos que te fi-zeram desistir?

Francamente mesmo. Você gostaria de dizer à sua filha: “eu desisti de tentar parar de fumar porque cigarros são mais importantes pra mim do que ter saúde para passar mais tempo com você”?

Seria divertido dizer à sua mãe: “eu decidi não ir à escola porque eu prefiro passar o dia todo com meu namorado de três meses a me preparar para uma carreira que vai garantir que eu não seja desempregada nem desabrigada?”.

Agindo dessa forma, é bem provável que você perceba que há uma boa razão para per-seguir essa difícil meta, e que, na verdade, não importa quão desafiante seja o processo, no final vai valer a pena.

8. Sua vida seria melhor se você desistisse dessa meta?

Isto pode não soar tão motivacional, mas às vezes desistir é realmente uma boa escolha. Talvez você estabeleceu uma meta completamente irreal, e a busca por ela está te preenchendo com um recorrente sentimento de desarmonia e ansiedade. Ou talvez sua meta não seja o melhor interesse seu ou de sua família, e, nesse caso, é melhor cair fora antes de investir muito tempo a ponto de ser praticamente impossível desistir.

Você pode facilmente usar essa justificativa para se iludir, então reflita cuidadosamen-te. Essa meta é realmente boa, quando você sopesa todas as conseqüências da sua realização?

9. Quanto você já investiu?

Um conceito estudado na psicologia social, chamado “princípio do prejuízo consuma-do”, aponta que quanto mais investimos em alguma coisa, menos chance nós temos de desistir dela.

Quanto você investiu? Quanto tempo e quanto dinheiro você dedicou? Quantos sacri-fícios você fez? Você está realmente disposto a considerar tudo isso um prejuízo só porque você não está se sentindo confiante com suas habilidades ou resultados até o momento?

10. O que você diria a alguém que está na sua situação?

Você diria à sua melhor amiga que é melhor ela jogar a toalha porque ela não conse-guirá alcançar a meta que ela estabeleceu? Ou você iria pôr em prática seu melhor discurso motivacional a fim de fazê-la perceber o que você percebe no potencial dela? A não ser que você seja secretamente um amigo-da-onça que deseja que ela fracasse na vida, o mais provável é que você levante o astral dela e a incentive a buscar seu melhor – então por que não fazer isso pra si mesmo?

Pode soar meio clichê, mas você tem que ser seu melhor amigo. Você, mais do que ninguém nesse mundo, merece sua confiança e sua motivação.

Se você passou por todas essas perguntas e mesmo assim ainda se sente bem-resolvido sobre a decisão de desistir, você tem minha bênção para abandonar sua meta (melhor se sentir aliviado!). Caso contrário – se ainda há uma pontinha de dúvida – continue trabalhando nesse so-nho que te preenche com paixão.

Mude a abordagem, se necessário. Procure novas ajudas. Diminua (ou dependendo, pode até aumentar) o tempo que você dedica a essa meta para um que você possa administrar. Mas, qualquer que seja sua ação, não dê a si mesmo razão para um dia pronunciar esta frase: “Eu desisti porque estava com medo”.

Fonte de inspiração: Tiny Buddha.

Lori Deschene é americana de Revere, cidade localizada no condado de Suffolk, estado de Massachusetts, nos Estados Unidos. É fundadora do site Tiny Buddha e autora da série de eBooks Tiny Sabedoria, Guia Tiny Buddha do Amor Próprio e Tiny Buddha: Sabedoria Simples para Perguntas Difíceis da Vida. Também é co-fundadora do site Recrie a Sua História de Vida e criadora do eCourse que ajuda você a mudar a sua vida. Acredita que a busca pela felicidade tem que ser primordial na vida de qualquer pessoa.
Gostou? Compartilhe!Share on Facebook103Tweet about this on TwitterGoogle+0